quarta-feira, 13 de outubro de 2010

Beleza de Flor, Luz de Lua

Talvez eu não fosse digno de me deixar cobrir por sua sombra e saber da sua alma, quem sabe, eu não devesse. Eu me penitencio por não me fazer presente quando você mais precisou de um amigo e eu, desatento, não estava ao seu redor quando você chorou a morte do seu pai e eu também não estava lá para segurar a sua mão, beijar a sua testa e falar as palavras que a conquistariam. Desculpe meu amor, se eu não previ que a sua sorte estava em minhas mãos e que só eu teria o privilégio de comparar a sua inteligência à dos sábios, a sua beleza à das flores e a sua luz com as estrelas.
silvioafonso

7 comentários:

  1. As vezes não chegamos na hora certa.Mas o destino sempre dá uma segunda chance...Espero.
    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Sentido, verdadeiro, franco! Muito bonito, um desafabo, uma confissão, um arrependimento, uma declaração de amor. Um pedido de perdão!

    Abraços!

    ResponderExcluir
  3. Somos todos
    um pouco de tudo.
    Muitos solavancos,
    outros tantos tropeções,
    um sem numero de
    equivocos.
    Porém sendo quando
    se nasceu pra ser,
    ha perdão,
    não ao outro,
    mas sim a nós
    mesmos.
    Porque no fim
    é só o que nos
    resta.
    Belo texto Poeta,
    faz divagar ao refletir.
    Bjins entre sonhos e delírios

    ResponderExcluir
  4. Isso acontece com tanta freqüência. Vou resumir um conto do Paulo Coelho.

    Dois vizinhos, amigos de infância. Um dia um deles vai na casa do outro pedindo dinheiro. Aquele vende suas coisas para conseguir o dinheiro e emprestar ao vizinho, que vai embora para resolver seu problema.

    O que emprestou chora. Sua mulher questiona: Porque choras? Arrependimento por ter vendido nossas coisas para emprestar ao seu amigo?

    Ele responde: Não. Choro porque só percebi que meu amigo estava precisando da minha ajuda quando ele veio me pedir. Sou um mal amigo... Eu deveria tê-lo ajudado antes que ele tivesse me pedido.

    Pois é meu amigo. Somos humanos, erramos, mas seu texto mostra um arrependimento puro. Espiritualmente falando, este é o caminho da absolvição para muitas religiões.

    Abraços e obrigado pelo belo texto.

    ResponderExcluir
  5. e quando a construção torna-se tão poética quanto o texto o resultado é poesia que se exala completamente

    perfeito

    ResponderExcluir
  6. wonderful!
    I love it.

    kisses and more^^

    ResponderExcluir


Diga o que quiser do jeito que você souber.




.