quarta-feira, 5 de maio de 2010

POESIA ÀS AVESSAS

Não sou um misto de nada com coisa alguma. Não sou melhor e nem pior do que aqueles que fizeram de suas vidas, passarela do amor. Não beijei a sua boca, eu a engoli. Não sonhei determinados sonhos, pois dormi na sua alma. Não levei alguém a passear comigo, alguém seria o passeio que me encantaria, seria o filme que me faz sorrir e a história que mareja os meus olhos.
Não sou o bom moço e muito menos o cafajeste, não nasci pra não morrer e não vivo para deixá-la viver as possíveis vidas que pudesse ter. Não sou assim e muito menos assado, não tenho futuro, não tenho passado, e não tendo e sendo nada, tudo o que não sou, nada do que eu não fui mexeu com a natureza, porém eu fiz do mundo um outro mundo, fiz dela a mulher amada de um cara que não existe e só por sua causa eu sou fora de ética e do normal. Sou dela, não por acaso, sou todo dela de propósito.
Quisera não ser tão diferente, mas para isto eu precisaria ter, como os gatos, tantas vidas para dá-las incondicionalmente para tê-la.

silvioafonso

8 comentários:

  1. Já valeu a tua vida pela poesia que fez dela.
    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Acho q neste texto demonstra q pode haver um amor sem apego, q podemos nos mostrar sem criar estereótipos normais e comuns...
    Abçs

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Que maravilha de poema, amigo.

    Um grande abraço. Boa noite.

    ResponderExcluir
  5. Parabéns pela personagem e contexto do seu blog, seguirei seus passos!

    ResponderExcluir
  6. silvioafonso

    Não sonhei determinados sonhos, pois dormi na sua alma.

    Quem escreve uma frase destas, é um poeta de verdade, meus cumprimentos.

    Desejando um FELIZ DIA DAS MÃES,pois ou temos,ou tivemos, ou somos uma delas,
    Efigênia Coutinho
    in New York

    ResponderExcluir
  7. Dormir na sua alma é muito lindo! Gosto de sua construção errante e redonda! Parabéns!

    ResponderExcluir
  8. Acabei de ler um comentário seu no Blog Morangos Mofados. A autora fala da sombra. Gostei tanto que resolvi passear aqui. Não tenho palavras para descrever o que senti com o "Poesia às avessas". Ler uma vez só não basta. Dá vontade de decorar. Dá vontade de copiar num papel e colar no vidro do banheiro para poder ler todo dia.
    "Sou todo dela de propósito." Lindo demais! A gente gosta de propósito, é isso mesmo. Vou seguir você, com honra.

    ResponderExcluir


Diga o que quiser do jeito que você souber.




.