sexta-feira, 29 de janeiro de 2010

FOI ASSIM...

Tremia entre um par de braços e outro. Corria aos diversos encontros sem medo e vergonha. Ofertava a boca aos beijos e entre tantos se perdia da modéstia e da vida.
Poucas amigas a invejavam enquanto a maioria condenava. Quando sabiam dos seus feitos, enrubesciam, caso contrário provocavam para que falasse, que contasse tintim por tintim até que o prazer se fizesse entre ela e as curiosas.
Eu não fiz parte deste processo, mas garanto que se fizesse não me envergonharia, pois cada um faz da sua vida o que acha que ela vale.
Hoje eu fiquei sabendo que ela se enamorou e desta vez, à vera. Envolveu-se com um jovem desportista e com ele dividiu o que restou de sua sorte. Ele, trabalhador e sério, sorria e fazia sorrir aquela que muitas vezes chorou, só, às escondidas.
Eu sempre achei que Deus é piedoso, que não penaliza um filho que, segundo a nossa sociedade, tenha feito algo errado.
Encontrei, enfim, este casal. Mãos dadas e cabeça erguida. Filhos em formação e um sorriso que antes era debochado, agora é de agradecimento aos que entenderam que a felicidade pode, sim, ser desejada e conseguida, não importando os caminhos e custando o tempo que custar.

silvioafonso

2 comentários:

  1. Há dias que parece que sai de uma das histórias de Nelson Rodrigues...

    Inha.

    ResponderExcluir
  2. Greetings

    It is my first time here. I just wanted to say hi!

    ResponderExcluir


Diga o que quiser do jeito que você souber.




.