quinta-feira, 23 de julho de 2009

MEDO DA PRÓPRIA VIDA...

Hoje eu quero descansar na inocência, quero ficar, mesmo
que por pouco tempo, em um ninho de passarinhos. Quero
me deixar levar pelo suave balanço das águas de um riacho
que serpenteia por entre casas de chão batido e telhado de
sapê. Eu quero me perder por entre as flores para, mesmo
sem esperança, reencontrar no meu corpo o perfume da
criança alimentada, educada e sem tristeza. Eu não tenho
e não quero a grandezas da indiferença, pois se eu pudesse
com as minhas palavras abalar o mundo, hoje eu não diria
um ai que fizesse os monges calarem a sua prece ou
baixassem do céu o seu olhar. Palavras que tirassem o
fôlego ou fizessem falar os mudos, eu não diria, se pudesse.

Eu não invejo, pelo menos não me vejo assim, a riqueza dos
ambiciosos e de lugares incomuns eu não me permito cobiçar,
da gramática exata da norma culta eu não aspiraria
demonstrar conhecimento, mas não resisto à tortura que
não me deixa dormir nas madrugadas frias e só por isto eu
grito, cobrindo a voz com a vergonha que é a minha
companheira, neste desfiladeiro onde agora, hoje ou, quem
sabe um dia em u’a manhã qualquer de primavera eu imite
os colibris e as borboletas e saia colhendo o mel de cada flor
que viça na mais linda "vista verde" que os meus olhos já
tiveram e assim, somente assim eu vença o medo de viver
a vida que eu tenho.

silvioafonso




sexta-feira, 3 de julho de 2009

PARABÉM PRA VOCÊ...

Hoje está um corre, corre, sem precedentes. Coisa
de louco.
Um sol que nasceu às pressas tentando permanecer
no céu por mais tempo que o natural, enquanto as
estrelas o empurram para o mar de onde veio
enquanto uma garoa abraça a terra tentando a todo
custo lamber, como que sua cria fosse, a bela
menina que se fez mulher no primeiro 3 de julho
de todas as histórias.
Parabéns Kelly! Gritam os rios e as cascatas. Seja
feliz, menina dos olhos da cor do mar! Respondem
todas as plantas num verde de doer os olhos. Nós a
acompanharemos, à nossa moda, por toda a sua
vida, resmungam os animais de todas as espécies e
para mim, que sou o mais tímido dessas
possibilidades, só me resta cair de joelhos e rogar
aos céus que tu sejas feliz, não só hoje que é o dia
do teu aniversário, mas enquanto durarem os
sentidos e enquanto uma luz, por menor que seja
a sua chama, indicar um caminho qualquer nesse
imenso universo que é a tua vida.

silvioafonso.