terça-feira, 28 de abril de 2009

EU NÃO VOU PIRAR...

Eu tinha muita vontade de terminar os estudos de psicologia e
fazer mestrado para, entendendo o meu aluno, fazer dele, no
mercado, o melhor profissional. Seria um segundo curso
universitário, mas os sonhos pereceram com um tiro que eu
dei no meu próprio pé. Bastava um olhar para que eu analisasse
a pessoa, sem a necessidade, sequer, de uma palavra. Isso me
fazia mal e acabava com a simplicidade, natural, dos meus
costumes. Eu tinha receio de, consertando o mundo, viesse a
ficar sozinho e me visse singular, perdido na imensidão desse
deserto criado por Sigmund Freud, Alfred Adler, Carl Jung,
Jean Piaget e outros que roubaram o meu jeito, humilde, de ver
as pessoas, como antes. Isto posto eu fico sem acreditar que as
moças vejam os rapazes com olhar, cobrador crítico dos
psicólogos que buscam a impureza da pedra em detrimento da
gema valiosa. Nós homens não somos o lado inferior da espécie,
porque uma parte, mesmo que pequena na composição humana
dá ao homem a dimensão exata da metade, tamanho necessário
à perpetuação de sua espécie, pois sem um dos dois, o um seria
zero.
silvioafonso

sábado, 25 de abril de 2009

UM AMOR QUE NÃO MORRE...

Sábado passado eu decidi ir ao teatro. Reservei os convites e levei comigo a mulher mais bonita para sentir a profunda emoção como o fórcipe tira do útero uma criança. “TODO AMOR QUE HOUVER NESSA VIDA” é uma produção simples como todas as montagens que não contam com o patrocínio ou verbas honestas. É a história de um casal de rapazes; um catedrático da faculdade e o outro um artista plástico. O jovem professor está no estágio terminal de uma doença degenerativa e enfrenta, ao lado do companheiro a decadência do corpo e os preconceitos. A peça atingiu o seu objetivo que era arrancar de dentro de cada um a emoção mais profunda que o ser humano pudesse esconder, de alguém ou de si mesmo. Antes do espetáculo começar o ator, que incorpora o artista plástico, dá abraços apertados em espectadores escolhidos ao acaso, deixando claro o que nos aguardava na plateia. O professor, mais velho, perde o emprego por causa da doença e de sua sexualidade.
O casal se conheceu numa galeria de artes onde o jovem artista que teve a sua infância privada de amor, expõe o seu trabalho. O amor dos dois é praticamente indestrutível. Coisa assim. No telão apareciam frases, como; “NÃO SE LEVE TÃO A SÉRIO”, “A VIDA É MUITO CURTA PARA SER PEQUENA”. Portanto “TODO AMOR...” é um trabalho de, amor. A honestidade dos atores que fizeram da peça, não a melhor que eu e ela já vimos, porém uma das mais emocionantes.
silvioafonso
............................................Foto by Internet

quarta-feira, 15 de abril de 2009

HOJE É O DIA DO SEU ANIVERSÁRIO...

Estão chegando as luzes do outono. Com o fim do verão os dias deixam de ser quentes, mas não são tão frio ainda e é nesta
época que as flores caem dando espaço para o surgimento dos
frutos e os animais se reproduzem na construção dos ninhos.
Os insetos, como as borboletas e as abelhas voam a procura da
flor que não morreu, em busca do néctar. Neste período a
temperatura não é baixa e nem tão alta de forma que o outono
fica sendo uma época muito agradável e é exatamente neste
período que, entre flores, luz e emoção, nasce um dos homens
mais importante da minha vida, depois do meu pai. O seu
nascimento transforma em paz e poesia tudo o que surge na
estação. Nasce chorando para a alegria de todos. Cresce sorrindo
e este sorriso é a luz que ilumina o mundo. O mundo das pessoas
apaixonadas; o meu mundo. Quando homem, toma para si a sua
própria vida e aprende, tropeçando nas dificuldades a caminhar
com os seus próprios pés. O trabalho e o amor aos que o cercam
fazem de sua existência uma história bonita de criança e do outro
lado da vidraça, a festa do seu aniversário bomba para a minha
felicidade. Em nenhum momento em todos os anos de nossas
vidas eu fiquei ausente, mas hoje é diferente porque neste
momento ele se encontra no alto da montanha de onde sairá em
voo solo e por sobre as nossas cabeças e principalmente a minha
sentirá o amor que por ele temos, e eu, que trago no peito a forte
emoção de pai, mesmo tentando, não esconderei a lágrima
teimosa que insiste em molhar as lembranças do seu tempo de
menino. Parabéns meu filho. Que a sua estrada seja longa, como
longa será a sua vida, mas que a sombra fresca da felicidade esteja
a cada passo para confortar, se for preciso, o seu corpo que se
cansará um dia, como o meu, agora.


silvioafonso


quarta-feira, 1 de abril de 2009

CABELOS CASCATEANDO COMO A ONDA, NUA.

Nada é mais bonito que a vista
conquistada ao alto de tua
beleza. Pico moreno cascateante
fios negros face a baixo
debulhando como espuma nos
brancos ombros onde comprimem
as pérolas dum rijo par de seios
engrandecendo o peito que me
guarnece, enriquecendo o porte.
Abdome necessário, cor da aurora,
suportado no quadril apenso num
umbigo, conciso, de boa anca nas
pernas longas, roliças, lisas como a
tez dos anjos ou das flores orvalhadas
na manhã de primavera, quimera vida
tua, tão pura que sucumbe a minha
num único desejo.


silvioafonso