terça-feira, 12 de maio de 2009

O CHEIRO DO AMOR...

Sinto que te deixo calada, cansada e na cama
jogada como um boxer nocauteado.
Parto, como parte o grito nosso em cada noite

acordando a cidade nervosa que se acende como
acesa estavas tu quando eu cheguei e te apossaste
de mim como um faminto no self-service da
paixão.
Antes de fechar atrás de mim, a porta, por sobre

o ombro eu vejo os lençóis de linho em desalinho
perdidos entre a tosca luz e as tuas pernas que
não se deixaram cobrir. Paira, eu sinto, no ar,
ainda o cheiro acre do encontro suado dos
corpos de nós dois.
Arrasto o casaco para as minhas costas e esqueço

perdido na tua lembrança o encontro dos desejos
pelos quais chorei até que o gozo me calasse e em
tua face jazesse este sorriso debochado que
lamberá a tua cara por todo o dia até que eu volte
como volta o sol para morrer no anoitecer.
silvioafonso




9 comentários:

  1. Vim conhecer teu blog, agradecer a tua visita e a tteus elogios.
    Abraços

    Meire

    ResponderExcluir
  2. Olá Poeta...
    Vim conhecer seu espaço e dizer que sou grata pela visita, lá no Roda de Prosa e pelo lindo poema lá deixado.
    Valeu!
    Volte sempre!
    Adorei seus poemas!
    Excelente final de semana!
    Muita paz! Beijosssssssssssss

    ResponderExcluir
  3. Sem dúvida, Poeta!
    Sermos o q somos é o gde barato.
    E quem sou eu pra dizer não!
    Cumplicidade ganha disparado de submissão.

    Existe um não sei quê
    De terreno fértil...
    Há força magnética
    Que conduz os sentidos
    Quando em meu ventre passeia
    Tomando em tuas mãos o meu grito.
    Porque há em tuas mãos
    Um não sei quê...
    A cura bendita
    Pro meu vicio
    (L.Leal)

    ResponderExcluir
  4. silvioafonso! que prazer reencontrar esta sua prosa poética, este seu poético arroubo e este amor sempre aflorado!
    tinha saudades e nem sabia, poeta! mas hj li um tantão. e gostei da diversidade do que li!
    um beijo grande, viu?

    ResponderExcluir
  5. Sol que voltar a cada novo dia (até quando não vemos, mas está ali).
    Abraços

    ResponderExcluir
  6. Olá, Silvio!

    Venho agradecer, novamente, pela visita ao Roda.
    Vou linkar seu blog, ok?!
    Assim, encontro o caminho mais fácil para sempre vir ler seus posts.
    Excelente semana!
    Muita paz! Beijossssssssss

    ResponderExcluir
  7. Venho agradecer a visita :)
    Dizer-te que foi um prazer "perder-me" por aqui.
    Intensas as tuas palavras. Poesia em prosa, eroticamente envolvente...
    Beijo

    ResponderExcluir
  8. muito intenso este poema onde os odores se passeiam sem macula
    bjs

    ResponderExcluir
  9. Bom dia...Saiba que mesmo
    o dia estando acinzentado,
    o Sol sempre estará ali, pos
    detras das nuvens te visitando!
    Quanto ao amor, se valeu a pena,
    então que ele volte, mesmo que seja
    ao anoitecer...Abraços.

    ResponderExcluir


Diga o que quiser do jeito que você souber.




.