terça-feira, 20 de janeiro de 2009

NASCER, MATAR E MORRER.

Conta a história que os índios da tribo Tupinambá, no
Maranhão, escapou ao ataque dos portugueses que
invadiram as suas terras e por isso fizeram uma grande
festa, com muita bebida feita à base de mandioca ou milho
cozido fermentado em uma porção de água. A certa altura
uma mulher, sem motivos aparentes, esbofeteia um
homem. Logo toda a aldeia entra na briga separando-se
em duas metades. Como resultado da confusão as partes
fundam duas novas tribos de canibais e nunca mais
fizeram as pazes. Para os Tupinambás alcançarem a vida
eterna, achavam eles, era fundamental que a divisão e o
ódio entre as tribos fossem mantidos. Os normandos
também pensavam dessa maneira. Esses povos têm, ao
menos, o mérito de reconhecer que a violência é integrante
da natureza humana. Com esta certeza foi elaborada a
psicologia da guerra, como justificativa e consolo. O ser
humano precisa de oposição, divergir opiniões. Tem
necessidade premente de se opor a si mesmo. Tem
desejos de sentir-se diferente dos semelhantes, quer
superá-los e se convencer de que a verdade é um privilégio
seu, particular. Em contra partida não pode tolerar a
diferença e isso o autoriza a matar. Eu não acredito que o
homem de Neandertal (extinto há 70 mil anos) tenha sido
nosso antepassado, mas ninguém nega que a pratica do
genocídio tenha dado fim à espécie e que a nossa ambição,
inveja, arrogância e o desejo do poder que nos leva às
guerras sejam o caminho da extinção do ser humano,
ninguém, também, vai negar...

silvioafonso

13 comentários:

  1. O que primeiro deveríamos aprender é como "matar" nossos próprios fantásmas, nossoa medos, nossas fraquezas, nossas revoltas.
    Só assim o mundo seria melhor, pois a violência que é colocada pra fora é o fruto dos nossos monstros interiores, o mal que alimenta em nós.
    Seu post faz a gente ir embora pensando no que estamso fazendo de nós.
    Abraços

    ResponderExcluir
  2. ai, eu aaaaamo arco-íris, sempre fico feliz quando vejo um......

    violência... não, obrigada!

    beijos e boa semana,

    MM.

    ResponderExcluir
  3. Haja vista todas as Gazas pelas quais temos passado ao longo da história. E é uma guerra onde não há, e jamais haverá, vencedores. Todos, sem exceção, perdemos muito.

    Um beijo :)

    ResponderExcluir
  4. Olá poeta!!! Demorei, mas vim conhecer seu cantinho e adorei!!! Toda a sua essência está aqui...
    A violência está cada dia pior e sem motivo para acontecer, é como já ouvi por aí: viver está difícil, principalmente por causa da falta de solidariedade... ótimo texto, para reflexão... Bjooooooooooooooooo

    ResponderExcluir
  5. Eu penso exactamente da mesma maneira que 'Codinome Beija-Flor'.
    mesmo, mesmo

    ResponderExcluir
  6. ...se não houver separatismo,
    brigas, ódio, e sangue.
    como faremos parte da
    raça racional?

    que graça há no 'céu' da paz?

    que horror o silêncio reinante
    nos campos verdejantes!!

    que imagem sem graça há
    nos jardins floridos,
    no brilho do sol,
    nas noites estreladas.

    que desconfortável ouvir
    risos de crianças,
    cantos de passarinhos,
    sons de violinos cortando
    os ares a acariciar nossos
    ouvidos!

    pra quê todo este paraíso,
    se o homem ama viver no INFERNO?

    bjus

    ResponderExcluir
  7. Codinome Beija-Flor...
    Existe a cura, porque existe a chaga.
    Existe o mal, porque o sofrimento está por aí.
    Existe o amor, porque o desdém e a indiferença assolam corações.
    Existe a guerra para que a paz tenha sentido mesmo que se faça guerra, para obtê-la.

    . fina flor ...
    Este arco-íris demarcou o seu território e vem, sempre, com a mesma cara. Basta que a chuva ameace e lá está ele, sorrindo para os que correm à janela, como eu.

    Flávia...
    Na guerra, vence quem mata mais.
    É triste tirar a vida de quem nada de mal nos fez. Matar a quem não sabemos o nome, seus sonhos e sua história.

    Ana Raquel =]...
    A sua ausência criava um abismo entre o belo e o criativo.

    claras manhãs...
    Brindar à morte quando se vence a guerra, é de morrer, literalmente.

    Vivian..
    Diz, o palhaço poeta, que os obstáculos dão peso à competição.
    Quanto mais difícil for a prova, melhor será o vencedor.


    .

    ResponderExcluir
  8. É mto trite ver no q o mundo está se transformando. Achamos pouco acabar com nós mesmo e tb tentamos acabar com o mundo!
    O futuro é incerto... será?

    ResponderExcluir
  9. O que antes era defesa de território, principios e da honra, hoje tornou-se fonte de renda. A guerra sustenta a industria bélica. Vemos nossos irmãos do outro lado do mundo serem mortos, e até ficamos indignados, porém nada fazemos. Apáticos seguimos nossas vidas, e como sabiamente disse "Codinome Beija-flor", travamos nossa luta diária com nossos fantasmas , medos. Mas dificil vencer essa guerra de si consigo mesmo, do que selar a paz no Libano. O amor minha gente, é no amor que está a resposta. Ame! Ame incomensuravelmente, isso não vaia acabar com as guerras, mas deixará a vida mais cor de rosa.

    Karly

    ResponderExcluir
  10. Vou tentar comentar este post citando algumas frases suas

    "O ser
    humano precisa de oposição, divergir opiniões."

    Sim e verdade. Sem oposicao e divergencia de opinioes nao ha crescimento intelectual e sociologico. O Homem pensante tem que se confrontar com novas ideias para crescer.

    "Tem
    necessidade premente de se opor a si mesmo."

    Nao diria opor mas, talvez confrontar-se consigo proprio. Auto-analisar-se para perceber os seus erros e poder emenda-los.So assim podera crescer e amar-se e respeitar-se a si proprio e aos outros

    "Tem
    desejos de sentir-se diferente dos semelhantes, quer
    superá-los e se convencer de que a verdade é um privilégio
    seu, particular."

    Ai discordo em absoluto consigo.
    So uma pessoa muito narcisica pensar que a verdade e seu privilegio e da qual e o unico detentor. Quano a sentir-se diferente dos seus semelhantes e uma verdade do Sr de La Palisse porque todos nos somos diferentes uns dos outros.
    Mas, pelo contrario, a tendencia da era moderna e a padronizacao e uniformizacao do Homem. Devera usar as mesmas coisas que todos os pares e te-las para se sentir feliz. O poder da sociedade de consumo e enorme e a tendencia e, de facto para que uns sejam cada vez mais iguais aos outros e se identifiquem pela igualdade e nao pela diferencia.


    "Em contra partida não pode tolerar a
    diferença e isso o autoriza a matar."

    E e pelo mesmo motivo que escrevi a cima. A diferenca mete-lhe medo, da trabalho a compreender. O Homem padronizado nao pensa, nao tem que pensar. Ha quem pense por ele, por isso teme a diferenca. E por isso, tb, e arrastado para uma violencia gratuita.


    "Eu não acredito que o
    homem de Neandertal (extinto há 70 mil anos) tenha sido
    nosso antepassado,(**) mas ninguém nega que a pratica do
    genocídio tenha dado fim à espécie e que a nossa ambição,
    inveja, arrogância e o desejo do poder que nos leva às
    guerras sejam o caminho da extinção do ser humano,
    ninguém, também, vai negar..."

    [(**) - ja esta mais do qque discutido que e um ramo paralelo do homo sapiens - aferencis e que se extinguiu por nao ter capacidade de adaptacao e inovacao face as mudancas criticas do meio ambiente.]

    E tem razao nisto. A arrogancia do ser humano fa-lo pensar que tudo pode contr os outros seres vivos (escrevi um artigo sobre este coneteudo, no meu blog, aqui ha tempos)
    Tem que aprender a mudar para nao ser mais um anmal em vias de extincao.

    Um abraco
    Zica

    ResponderExcluir
  11. A violência é filha do medo. O medo filho da ignorância. Com o conhecimento percebemos que somos todos iguais em nossa essência apesar das diferenças aparentes, nasce a empatia e cessa a violência.
    Em Algum Lugar do Tempo.

    ResponderExcluir
  12. Ola.. to visitando alguns blogs e defitivamente adorei seu blog!!
    muito bom as coisas que tu escreves! sucesso! ah, vou te colocar nos meus favoritos! quando tiver tempo visite o meu blog! grande abraço!

    ResponderExcluir
  13. Há um ditado que diz que o inferno são os outros. Ou seja é necessário sempre um antagonismo para que cada ser se reconheça. Mas creio que esse primeiro outro somos nós mesmo, pois vivemos em conflito com nossas emoções.

    ResponderExcluir


Diga o que quiser do jeito que você souber.




.