quarta-feira, 14 de maio de 2008

ARTES PLÁSTICA.

Eu não tenho pressa, mas tempo não tenho agora. Estou pasmo, sem voz, não ouço nada além do som, surdo, destas imagens que teimam, com o seu nome no rodapé, brincar de cabra-cega e pique esconde na retina úmida dos meus olhos. Eu quero voltar, preciso me sentar, respirar e me deixar perder nas espirais desta beleza. Quero e preciso olhar, ouvir e falar do seu trabalho, como um crítico de arte embriagado na beleza dos seus atos.

silvioafonso