terça-feira, 9 de dezembro de 2008

ORGASMO ALHEIO.

Meia-noite e todos pareciam dormir. Nem o pio da coruja ou os grilos se ouvia, tudo era silêncio. Uma lua, atrapalhada, brigava com as ralas nuvens tentando ver o que naquele quarto acontecia. Era amor, com certeza. Era amor de verdade, adivinhava o pequeno astro. Um amor impulsivo que prendia, arrebatava e, como o vento nas palmeiras fazia cantar, gemer, chorar. Um grito matou o silêncio e os gemidos se seguiram fazendo da noite um teatro a céu aberto. Nenhum riso e muito menos, aplauso. Todos prestavam a atenção ao primeiro e único ato não de frente para o palco, mas espreitados através das janelas que, fechadas, separavam dos atores a platéia abobalhada. Gritos surdos, Mas não mudos. Choro de medo, mas sem arrependimento e um prazer que não comensurava. Todos de pé e nem uma palavra, parecia que ninguém tinha boca, mas eram todos ouvidos. Fantasias, alucinações, céu e inferno, conjeturavam todos olhando para cima, para o quarto do 202. Mais um pouco, um pouco de tempo mais e um grito próprio de fêmea acasalando estremeceu no terceiro orgasmo o prédio onde tudo aconteceu. Fim do espetáculo. Fim do mais belo de todos os atos, que começou no romantismo de um casal apaixonado, para encerrar na masturbação de cada um, no sonho dos que, acordados, não dormiram.

silvioafonso.

7 comentários:

  1. Texto - sedução na linha :"Vem cá minha nega"!
    os internautas vão gostar!

    (Apren) diz...

    ResponderExcluir
  2. Oie meu amigo, esse é um espetáculo mágico, quando o amor existe...
    Boas festas! Beijos

    ResponderExcluir
  3. Silvio,

    obrigada pelo belo comentário postado no Sam e por abrir-me a porta da sua casa virtual com a sua visita.


    Gostei imenso do teu blog. Rapaz este texto está maravilhoso e bem criativo. A solidão anda as quanta que hoje orgasmo é mesmo solitário e se não,alheio ( este é sempre o melhor! Porque é contado Rsrsrs). E como disse a doce Mel é sempre um espetáculo. Com ou sem amor, acompanhado ou não. O teu, o meu, o nosso é sempre bom! Neste caso, o do casal vizinho foi bem melhor... Aplausos!


    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Nousssss....Que dizer? Foi forte e lindo seu comments, Silvio. Obrigada. Confesso que deu-me um delicioso " frisson" . Amei...

    "Meu coração pulou
    Você chegou, me deixou assim
    Com os pés fora do chão
    Pensei: que bom..." Ivete Sangalo.


    Beijos

    ResponderExcluir
  5. Serei a sombra a te calar noites insones de desejos e a povoar teus dias de sol aberto de felicidade. Serei a tristeza das tuas tristezas, a alegria das tuas alegrias.
    Serei o silêncio que o teu peito aquieta e te cobre de paz.

    Desnuda

    ResponderExcluir
  6. Oi, obrigada pela visita e pelo comentário no blog, sempre que puder apareça.

    Abraços e um ótimo fim de semana.

    ResponderExcluir
  7. Maria tem sobrenome, sim senhor, é Anónima, bem lindo e bem irónico.
    cara triste, é que nunca
    esta Maria ri, canta, dança, e não quer nada com a doutrina católica
    mas é crente
    E você, seu Silvio, uma doce tentação
    tenho a mesma opinião da Sam, é sempre espectáculo, com ou sem amor, acompanhado ou não.

    Beijinho

    ResponderExcluir


Diga o que quiser do jeito que você souber.




.