quinta-feira, 27 de novembro de 2008

A MULHER FATAL, DE AUGUSTO DOS ANJOS.

Em Augusto dos Anjos encontrei a mulher fatal misturada
aos traços chocantes que caracterizaram sua obra, como a
exploração intensa do orgânico, do animal...tudo a ponto de
provocar mesmo nojo aos que lêem. Em Versos íntimos, a
figura feminina é destruidora por seu abandono violento, ela
rejeita ferozmente o poeta Augusto dos anjos que não
parecendo demonstrar sensibilidade alguma. Mas ainda que
liricamente esbraveje impropérios contra ela, é possível
identificarmos que a ingratidão e o abandono não foram
suficientes para demover o lirismo da sedução que a mulher
provoca. Torna- se um ícone o dizer: o beijo, amigo, é a
véspera do escarro

"Vês! Ninguém assistiu ao formidável Enterro de tua última
quimera. Somente a Ingratidão - esta pantera - Foi tua
companheira inseparável!
Acostuma-te à lama que te espera! O Homem, que, nesta
terra miserável, Mora, entre feras, sente inevitável
Necessidade de também ser fera.
Toma um fósforo. Acende teu cigarro! O beijo, amigo, é a
véspera do escarro, A mão que afaga é a mesma que
apedreja.
Se a alguém causa inda pena a tua chaga, Apedreja essa
mão vil que te afaga, Escarra nessa boca que te beija!"

Nenhum comentário:

Postar um comentário


Diga o que quiser do jeito que você souber.




.