terça-feira, 31 de julho de 2007

ME LEVA COM VOCÊ....

Não demore, pois é chegada a hora. Pegue a minha mão leve-me com você a conhecer os lugares que eu não sei.

Ensina-me andar com os meus próprios pés, porque ultimamente só tenho seguido com os meus pensamentos.

Vivo no escuro do esquecimento e só você é a luz da esperança que me vaza à janela por uma fresta qualquer.

Ilumine então o meu caminho mostrando-me o horizonte, mas por favor, leve-me com você.

VEM, ANDA! ESTOU ESPERANDO POR VOCÊ.



Fiquei confuso quando soube que tu estavas pra chegar.
Troquei o meu estado de apreensão e medo pelo da
ansiedade e da alegria. Aí eu esperei e tu não vieste...
Queria tanto a tua presença, mas tu nem ficaste sabendo
que eu te esperava.
Fiquei triste com isso, mas com a tua doce mãe ao meu
lado eu entendi e resolvi esperar o tempo que tu quiseres.
Não desisto, porque não tenho sonhos quiméricos.
Eu desejo e quero que tu sejas o meu filho, dividir entre
nós o melhor que o ser humano pode ser e juntos, sem
posses, verdades e mentiras amar a tua mãe que de tão
bonita e doce, nos ama aos dois como ama a tua irmã.
Obrigado por insinuares a tua presença e desculpe o meu
desejo de ser totalmente teu.

silvioafonso

quinta-feira, 26 de julho de 2007

CONTOS DE PRINCESA.

Chegou cansada, com sono e ainda pensava em
mim...
Meu Jesus amado era tudo o que eu sonhava.
Eu queria ser para a mulher que eu amasse
o que fui para os meus filhos quando meninos;
o homem aranha, o homem mais bonito e deles
o mais forte. Eu queria ser o super-herói, o
melhor amigo e o seu fiel companheiro.
As suas palavras me levam aos remotos
tempos, mas com outra idade e propósito.
Eu a amo e disso não tenho dúvida. Eu a
Quero muito e tenho certeza do que eu preciso,
desde que você continue acreditando no príncipe
encantado que eu sou.


silvioafonso

CASCATEIA O RIO NA MINHA VIDA.


Eu tenho alguns amigos e amigas.
Sou fiel aos princípios da relação, respeitando os não,
mergulhando empenhado nos sim.
Não sou humilde bastante para dividir, mas somo, como
soma o economista. Não tenho a seriedade dos padres,
mas sou alegre como o palhaço. Não digo versos, porém
a minha vida é cheia de música e estrofes.
A natureza é a trilha sonora de minha vida e o vento me
conforta lambendo a minha cara e cerrando os meus olhos.
silvioafonso

sexta-feira, 20 de julho de 2007

AMOR SELVAGEM.


Meu bom Jesus do monte.
Como eu a amo.
Que lirismo, que beleza e que mulher!
Você não transa, você ama.
Você não se rende, você se dá.
Nenhum príncipe transa se você não quiser, mas
transcende na entrega se o desejo é seu.
Você não é mais o meu caso, o meu sonho.
Você é a minha doce e encantadora mulher.
E que se danem os poetas e a natureza.
Eu a conheci e quero agora viver como os animais.
Com instinto e sem maldade e agradecer a Deus
pela permanência do seu cio e a virilidade que me
deu.

silvioafonso

quinta-feira, 19 de julho de 2007



Quero descansar meus livros e osmeus pensamentos.

Esquecer de tudoe só de ti eu quero me lembrar. Preciso
praticar esportes ou ir à uma festa mesmo que sozinho,
mas eu quero ir. Chegam agosto e novembro, mas o
três de julho não aparece.
É a minha chance de sorrir, ver outras pessoas, te abraçar
e beijar. Quero cantar "parabéns pra você", beber coca-cola,
assoprar língua de sogra e até entrar na fila pra pegar um
pedaço de bolo, por sua causa eu quero. Mas eu preciso
sobreviver para tudo isso acontecer. Aí sim, eu poderei
morrer, mas de intenso amor.

silvioafonso

PASSEAR, LER OU DESCANSAR?


Quero descansar meus livros e os meus pensamentos.
Esquecer de tudo e só de ti quero lembrar. Preciso praticar
esportes ou ir à uma festa mesmo que sozinho, mas eu
quero ir.
Chegam novembro e agosto, mas o três de julho não acontece.
É a minha chance de sorrir, ver gente nova, te abraçar e beijar.
Quero cantar "parabéns pra você", beber coca-cola, assoprar
língua-de-sogra e até entrar na fila pra pegar um pedaço de bolo,
por você eu quero. Mas eu preciso sobreviver pra tudo isso.
Só assim eu poderei morrer, mas de amor.

silvioafonso

terça-feira, 17 de julho de 2007

VOCÊ...


Quando a brandura não deixar outra opção para o
amanhecer, tu despertarás em meio os meus braços.
Demasiado talvez seja a tua imagem sempre terna e
encantadora. O impossível entendimento da noite e
das estrelas, do dia e do seu esplendor será possível,
graças ao amor. Quando a lágrima fugir à lembrança
e as estações frias da natureza ficarem mais longe da
lembrança, a saudade responderá com o cansaço de
um velho e eu estarei contigo ouvindo os pássaros
chilreando na amoreira. Desabrocharão as flores,
esvoaçarão as andorinhas, mas eu não teria feito nada
para isto. Eu só acordarei ao teu redor e calado, sem
respirar se possível, para não desfazer o começo da
eterna felicidade.


FALA GUIMARÃES, DIGA ROSAS...

Escrever crônica é algo meio individualista. O artista, na sua importância de criador, não abre mão da determinação do ritmo, que é claramente marcado pela pontuação, principalmente pela vírgula; por isso, faz uso estilístico dela, comandando a leitura mais rápida ou mais lenta. “Certa feita Guimarães Rosa disse não saber porque as pessoas implicam com a vírgula. Às vezes, é ela, ou melhor, o seu excesso, que traduz o que se quer realmente dizer. Ele afirma que já usou a
vírgula entre sujeito e verbo; Lembram? Uma vez, escrevi: (disse ele), "Pois eu, vou-me.” Coisas de gênio, e a ele tudo é permitido.
silvioafonso

segunda-feira, 16 de julho de 2007

LEANDRO GASETA.

Faço o que você pedir, presto-me ao que você quiser.
Sento-me à sua mesa ou guardo o seu lugar na minha.
Participo do muito que lhe sobra ou divido o pouco
que mal dá pra mim.
Eu quero é estar por perto, fazer de qualquer jeito desde
que neste jeito estejamos eu e você.
Fui e sou do seu pai um amigo e desde os tempos idos,
seu, eu sou um crente. Torço pelo sucesso que lhe
bate à porta e exulto no concreto desse ideal.


silvioafonso

INFÂNCIA, MÚSICA E FLOR.

Já não sou dependente das letras ou das canções. Eu vivo
em ritmo de festa, num circo onde a arte se mostra na graça
do mais antigo dos palhaços e no triplo carpado sem rede do
audacioso trapezista. Não preciso da trilha sonora que
encantou a minha infância, pois eu fui feito de música e a minha
alma de dança quando a vejo bailar por entre as flores e as
borboletas. Não quero questionar o tosco ou o polido já que eu
estou entre as nuvens voando num bando de passarinhos.

silvioafonso

quinta-feira, 12 de julho de 2007

MAS ELE NÃO VEIO...


Corri ao teu encontro atendendo ao teu chamado. Levei os
meus ombros para uma emergência qualquer e você chorosa
me falou dos seus medos e anseios.
Sorri sob o doce do seu olhar, mas nada disse. Fiquei ali,
perdido naquele abraço a embalar meu sonho e consolando
o seu.
Que pena que nada aconteceu...
Foi bom não ter sido melhor ou morreríamos naquele abraço
pelo berço que eu não comprei.

silvioafonso.

quarta-feira, 11 de julho de 2007

MEU PORTUGAL PORTUGUÊS.

Boas lembranças de Portugal.
Que não me tragam as montanhas, os
vinhos e os grelos dos vegetais, mas
não deixem que eu fique sem o privilégio
de ter comigo, nesta terra de santa-cruz
a meiguice do fado e a brejeirice do vira
pra não esquecer da rapariga, linda e bela
com sotaque português.

PALHAÇO NA ALMA E NO CORAÇÃO


Quero errar o passo e do arame cair nos
seus braços. Mas no próximo salto com fé,
do trapézio não erro o twist carpado para
aos seus pés me pôr, engraçado e
apaixonado.

Palavra de palhaço

silvioafonso

DESERTO DE MIM MESMO...










Ela vivia na miragem dos meus dias, no oásis da minha imaginação.
Ela esquecida de suas coisas e de sua gente depositava nos sonhos as suas as fantasias e sem medo vinha ter até a mim; vestido branco, largo e branco como a minha insanidade no limite do meu eu.
Vinha linda desdobrando em riso brando iluminado, braços estendidos paro o abraço e a vida toda aberta para a minha.
Que mal há se existe música em sua vida e se eu não quero saber se o DJ sabe do seu gosto musical? O que eu quero é queimar meus lábios nos seus beijos e colorir meu corpo no sol dos seus desejos, neste deserto de nós dois.
silvioafonso

UM SONHO DE MULHER...

Beijos pra você que me desaperta na madrugada suando o meu corpo, excitando os meus músculos para relaxá-los num espasmo depois.
Acordo cansado, mas sorridente e feliz.

silvioafonso

sábado, 7 de julho de 2007

ELE ESCREVEU PRA ELA.

Eu não quero dias bonitos ou noites maravilhosas. Pare de desejar que eu seja feliz nos meus fins de semana! Eu gostaria que os meus momentos fossem chuvosos, que minhas noites não tivessem estrelas e que o frio me tomasse de surpresa e nu eu quase morresse. Mas seria feliz assim mesmo desde que você estivesse comigo. Eu contaria os pingos da chuva na vidraça e correria pra lhe dizer da minha descoberta. Eu queria ficar na minha vida e viver de qualquer forma. Com você toda mesmice fica diferente. Você não teria como mudar a minha vida, mas mudaria com certeza, a minha forma de vivê-la. Você me disse que anda garimpando coisas e dessa forma fica sabendo mais de mim. Eu me fiz compreensivo e acho que vou falar um pouco mais de mim. Vou falar de coisas que nem para minha mãe eu contei. E se ela ficou sabendo foi através do passarinho verde ou de um anjo, cuja cor eu não fiquei sabendo. Eu namorei u'a mulher, uma garota com os mesmos princípios e a doçura que você me passa. Segura nas palavras e com uma porção de sonho para ser vivido. Oriunda de dois casamentos e três relacionamentos que lhe deram u'a mala de problemas psíquicos, dúvidas e temores.
Eu sem pensar e sem saber fui o seu psicólogo e a fiz vibrar nos dezessete meses que vivemos juntos. Eu dormia mais em minha casa com o meu filho do que com ela, para que a sua liberdade não fosse cerceada. Mas éramos um casal de uma pessoa só. Essa moça sentiu-se mal no princípio de janeiro e faleceu no final daquele mês.Vinte e três dias eu fiquei com ela no hospital e lá vivemos o lado triste da história que vinha sendo a mais sensata já escrita.
Tínhamos os mesmos defeitos e os mesmos desejos. Ela u'a doutora de futuro, mesmo com os seus 42 anos e eu um apaixonado pelas letras a levei de volta às salas de aula e sua vida teve outro propósito. Os seus sonhos, os mais impossíveis e absurdos eram discutidos e ela os vivia. O consenso era a favor do direito de querer e de poder sonhar. Ninguém das minhas relações soube que tudo acabou porque a natureza quis. Mas você chegou e eu nem sei como reagirá o meu organismo se eu fizer amor com você. Talvez eu esteja melhor. Nós usamos a roupa de acordo com o clima e você, certamente me fará melhor. Sou divorciado e a mulher que é mãe dos meus dois filhos, que antes de tudo, era a minha melhor amiga. Hoje continua minha amiga, mas sem abraços, beijos e algo mais íntimo. A sua presença é sentida em minha casa, onde ela está mais do que eu. Eu lavo a nossa, minha e do meu filho, roupa e quando ela está por lá, essas coisas são feitas por ela. A doutora sabia disso e agora é você quem sabe. Eu não me lembro a idade que tenho, mas lembro que os meus filhos têm vinte e seis e o mais velho trinta anos. Por hoje chega. Só disse isso porque as coisas estão indo mais rápidas do que eu achava. E nada é tão gostoso e fácil como diz o conto de fadas. Aliás, eu digo para os que me querem bem: Se você quer um prato raro, uma lagosta no seu almoço, alguém precisa mergulhar fundo nas águas perigosas desse mar e correr os riscos do mergulho. A pérola que adorna o pescoço bonito da mulher nasce na ostra ferida.
silvioafonso.

quinta-feira, 5 de julho de 2007

INTROSPECTIVO?

Eu não quero olhar para dentro de ninguém muito menos
de mim.
Não quero chorar a dor que teima em doer e nem fazer
reforma em minh’alma. Eu não busco crescer para maior
do que sou e muito menos buscar a luz que eu não vejo
aonde brilha. Eu quero sim, um cantar de passarinho,
sentar a margem do rio e ver o nascer do sol na manhã de

domingo.
Quero notícias suas quando vestir minha melhor roupa e
colocar o meu melhor sorriso.
Quero saber do milagre de sua presença, sentir o seu abraço
e me perder ao seu redor.

silvioafonso

quarta-feira, 4 de julho de 2007

GRAFITEIRO...






Receava grafitar seu muro e pensava que nele, só
os arquétipos tinham os seus porquês e se atreviam.
Tinha medo que a minha arte, na cátedra dos seus
amigos, não passasse de uma pichação sem sentido
e me constrangesse. Mas a minha admiração pelo
lírico, pelo belo e a gramática me prenderam. Sem
o senso do escárnio, atrevi-me a dizer que a minha
humilde observação não tem sentido frente à sua
encantadora presença e tão lindas palavras.
Obrigado por me ouvir, obrigado por me olhar e
assim curvo-me e reverencio a tão encantadora mulher.

silvioafonso

A PORTA DO TEMPO.

O tempo me bate à porta a espera de uma resposta,
portanto é com pressa que eu quero pedir a você que me

ouça.
Que me aceite do jeito que sou, que sorria ao me vir feliz

e que entenda quando me vir chorar.
Que note as capas dos meus livros e a letra das canções que

me embaçam os olhos. Entenda isso, e aceite tudo e eu lhe
presenteio sem que tenha que me dar nada em troca, com
o que de mais puro eu conservo no peito;
O MEU AMOR.

silvioafonso

terça-feira, 3 de julho de 2007

CORRIDA AÉREA







No dia sete, agora, esta corrida acontecerá na suiça. Eu poderei
contar para os meus netos que assisti ao maior espetáculo da

aviação civil. Foi um circo onde o grau de dificuldade lembrava

o trapézio sem rede. Onde a beleza das manobras lembrava a

moça do arame que caminha na corda bamba e os aplausos eram

as crianças que vibravam em cada cambalhota do palhaço.

Não vou esquecer o que tive o privilégio de ver por estarem essas

imagens tatuadas na minha lembrança e no meu coração.


silvioafonso.

segunda-feira, 2 de julho de 2007

A PORTA DO TEMPO...

O tempo me bate à porta a espera de uma resposta.
É com pressa portanto que eu quero pedir a você que me

ouça.
Que me aceite do jeito que eu sou, que sorria ao me vir feliz e

que entenda quando me vir chorar.
Que veja as capas dos meus livros e a letra das canções que me
embaçam os olhos. Entenda isso, aceite tudo e eu lhe presenteio

sem que tenha que dar nada em troca, com o que de mais puro
eu conservo no peito;
O MEU AMOR.

silvioafonso

POR MERECIMENTO...

O mistério nesta mulher é o prato de entrada. Ela é de
pura cultura, dominando a língua máter na administração
do seu trabalho. Saber jogar com as palavras e criar
momentos raros são o seu repasto. Tem um círculo,
selecionado e quase fechado de amigos e o ingresso no
seu quadro de admiráveis, sem o suborno cultural, não é
possível.
Fui escolhido na seleção da RAINHA e promovido com louvor

a súdito, deixando a minha posição, honrada, de bobo da corte
que sempre fui.

silvioafonso

O TEMPO E A BRISA.

Esqueça o tempo, perca a hora, mas lembra-se do amigo.
O tempo destrói a sua juventude e escraviza a sua alma.
O amigo lhe conforta, diz que o tempo traz a
sabedoria, que suas rugas e os cabelos brancos são o sinal
de tudo isso. Lembra que as horas nada mais são senão o sinal
gráficos do tempo já que os dois existem para regrar a sua vida
e compassar os seus momentos.
Mas esquecer o amigo, cara-pálida, é pior que perder a hora e
envelhecer sem saber de si.


AVE FERIDA...


Não criança linda, você não soube do fim deste pobre pássaro,
que nem asas para cortar têm. Não há minha bela pequena,
neste minúsculo espaço onde vivo, chão bastante para que eu
pudesse correr, alçar vôo e partir.
Quem vive engaiolado em mim sou eu mesmo. Prisioneiro dos
meus pensamentos dos quais não pretendo ganhar a fuga.
Não sou um misto do bem com o mal, sou sim a divisão da soma
dos dois, cujo resultado fez a nossa amizade que já chegou a beirar
do amor.

sílvio afonso.
Detesto afirmar, mas eu falo de mim, do meu coração e um
fundo musical iria muito bem ou melhor, vai muito bem.
Afora isso eu não ouço o eco do meu grito.
Que deserto é esse, onde eu prego e minha voz se confunde

no vento, nos cactos e nas areias?
Para tudo o que eu gosto você me dá a senha. Eu amo esse

presente, mas quero não ter que clicar para saber de você.
Fale comigo, vá à passarela e desfile à minha vaidade, dê um
sorriso ou me traga uma flor. Mostre esse verde olhar, esqueça
dos outros ambiciosos olhares e faça isso só para mim.

silvioafonso

VALENTE AUDAZ...

Sou paraquedista e tive a primeira experiência aos 16 anos,
para só aos 20 servir ao exército e defender a pátria.
15 mil pés me separavam do solo o bandeirante do exército
e em um salto audaz, em queda livre, eu comandava o
equipamento aos 2.500 pés e a conferência do velame
aberto sobre a cabeça, eu fazia.
Queda suave e veloz viagem. Brisa fria acariciando o rosto,
gelando o corpo. Cabelos em desalinho, coração aos pulos e
felicidade estourando o peito. Sorrisos e braços abertos à minha
espera.
Beijos, abraços e tapinhas nas costas. Bilhetinhos colocados em
meu bolso e o recolhimento do nylon e suas linhas eu fazia
para serem, cuidadosamente dobrados para uma nova aventura.