sábado, 11 de agosto de 2007

CAMPO DE GUERRA E DE PAZ.


Eu sentia que era chegada a hora.
Eu entendia que a felicidade era demais para os meus,
maltratados e curvados ombros desacostumados do
amor.
Abri a janela do meu quarto e desatento, vi fugir da
minha vida o homem que eu fui por pouco tempo, mas
o suficiente pra me fazer sorrir.
Senti o fogo da paixão. Fui poeta, cavalheiro e cafajeste.
Dei na cara do orgasmo na mulher que eu mais amei e
recebi na alma o troco do atrevimento.
Parti por caminhos desconhecidos e deixei com ela, num
beijo, o homem feliz que eu fui para trazer comigo o que
restou da guerra que eu perdi.

silvioafonso

Nenhum comentário:

Postar um comentário


Diga o que quiser do jeito que você souber.




.