sábado, 7 de julho de 2007

ELE ESCREVEU PRA ELA.

Eu não quero dias bonitos ou noites maravilhosas. Pare de desejar que eu seja feliz nos meus fins de semana! Eu gostaria que os meus momentos fossem chuvosos, que minhas noites não tivessem estrelas e que o frio me tomasse de surpresa e nu eu quase morresse. Mas seria feliz assim mesmo desde que você estivesse comigo. Eu contaria os pingos da chuva na vidraça e correria pra lhe dizer da minha descoberta. Eu queria ficar na minha vida e viver de qualquer forma. Com você toda mesmice fica diferente. Você não teria como mudar a minha vida, mas mudaria com certeza, a minha forma de vivê-la. Você me disse que anda garimpando coisas e dessa forma fica sabendo mais de mim. Eu me fiz compreensivo e acho que vou falar um pouco mais de mim. Vou falar de coisas que nem para minha mãe eu contei. E se ela ficou sabendo foi através do passarinho verde ou de um anjo, cuja cor eu não fiquei sabendo. Eu namorei u'a mulher, uma garota com os mesmos princípios e a doçura que você me passa. Segura nas palavras e com uma porção de sonho para ser vivido. Oriunda de dois casamentos e três relacionamentos que lhe deram u'a mala de problemas psíquicos, dúvidas e temores.
Eu sem pensar e sem saber fui o seu psicólogo e a fiz vibrar nos dezessete meses que vivemos juntos. Eu dormia mais em minha casa com o meu filho do que com ela, para que a sua liberdade não fosse cerceada. Mas éramos um casal de uma pessoa só. Essa moça sentiu-se mal no princípio de janeiro e faleceu no final daquele mês.Vinte e três dias eu fiquei com ela no hospital e lá vivemos o lado triste da história que vinha sendo a mais sensata já escrita.
Tínhamos os mesmos defeitos e os mesmos desejos. Ela u'a doutora de futuro, mesmo com os seus 42 anos e eu um apaixonado pelas letras a levei de volta às salas de aula e sua vida teve outro propósito. Os seus sonhos, os mais impossíveis e absurdos eram discutidos e ela os vivia. O consenso era a favor do direito de querer e de poder sonhar. Ninguém das minhas relações soube que tudo acabou porque a natureza quis. Mas você chegou e eu nem sei como reagirá o meu organismo se eu fizer amor com você. Talvez eu esteja melhor. Nós usamos a roupa de acordo com o clima e você, certamente me fará melhor. Sou divorciado e a mulher que é mãe dos meus dois filhos, que antes de tudo, era a minha melhor amiga. Hoje continua minha amiga, mas sem abraços, beijos e algo mais íntimo. A sua presença é sentida em minha casa, onde ela está mais do que eu. Eu lavo a nossa, minha e do meu filho, roupa e quando ela está por lá, essas coisas são feitas por ela. A doutora sabia disso e agora é você quem sabe. Eu não me lembro a idade que tenho, mas lembro que os meus filhos têm vinte e seis e o mais velho trinta anos. Por hoje chega. Só disse isso porque as coisas estão indo mais rápidas do que eu achava. E nada é tão gostoso e fácil como diz o conto de fadas. Aliás, eu digo para os que me querem bem: Se você quer um prato raro, uma lagosta no seu almoço, alguém precisa mergulhar fundo nas águas perigosas desse mar e correr os riscos do mergulho. A pérola que adorna o pescoço bonito da mulher nasce na ostra ferida.
silvioafonso.

Nenhum comentário:

Postar um comentário


Diga o que quiser do jeito que você souber.




.