terça-feira, 26 de junho de 2007

QUEM É MAIOR, O AMOR OU O SONHO?

Você cresceu sob as ordens do amor e da subserviência.
Procurou uma janela para buscar a sua própria vida e uma
enorme porta se abriu. Um jovem com a chave da saída
ofereceu-lhe a mão e a liberdade.
Você já poderia planejar o seu próprio vôo em busca da
felicidade tão querida. Em três meses você organizou a vida
e já estava pronta pra voar quando a notícia da gravidez se
fez. Fecharam-se as grandes portas do hangar e os seus
planos ficaram pra depois. Preocupação diária, idas e vindas
mensais ao pré-natal faziam da sua vida um novo calvário.
O mais doce dos que você já tinha tido. Enfim o milagre
estava nos seus braços e por seis meses ele ficou dependurado
no seu peito na troca do amor pelo alimento e você se doava
por inteira. O tempo passou e você reviu a rota que não traçou.
Peças teriam de ser mudadas no aparelho que a levaria viajar
para além de sua vida pequena. Tudo pronto, pista livre, mas
você não vai. Não sai porque entra o motivo único de sua vida;
o seu filho com um pequeno sorriso em troca do largo que você
lhe deu. Voltam pra casa e mais um tempo vocês ficam juntos
até que a despedida se refaz. Ele se vai e você já não se lembra
onde fica o galpão que guarda os seus sonhos e as suas fantasias
de menina, de moça e de mulher. Você então se lembra que não
perdeu para sempre a chance de voar. Você pelo contrário, estava
chegando de uma viagem longa sobre os oceanos da vida e da
felicidade.
Ser mulher é não ter um plano de vôo pra cumprir, é estar atrelada
ao feitiço de ser mãe num vôo pleno e total, numa doação absoluta e
sem igual.


Nenhum comentário:

Postar um comentário


Diga o que quiser do jeito que você souber.




.